Review – The Order: 1886

Vamos lá, esse é um dos reviews mais confusos para minha pessoa que vou fazer, pelo menos sobre minha visão sobre esse jogo.

The Order: 1886 é um jogo Acção-aventura criado pela Ready at Dawn e publicado pela Sony. Esse é um dos poucos jogos exclusivos que lançaram para a geração de video-games. Exclusivo para Playstation 4, pelo menos por enquanto, muitos chamaram o jogo de Ryse do playstation.
Assim como o Ryse, eu gostei de The Order, ele não é um jogo perfeito, falta conteúdo e a jogabilidade me parece estranha, mas juro que gostei dele.

Esse tópico vai conter informações sobre o jogo que podem modificar a experiência. Caso você tenha esse problema, ou seja, contra. Pare de ler aqui.

The Order: 1886 era para ser um jogo com estilo Steam Punk que passa no ano de 1886. O que recebemos foi realmente um jogo que se passa em Londres em 1886, e isso pode ser visto em várias referências as quais o jogo possuí.

Os gráficos do jogo são um dos mais bonito no qual você vai encontrar nessa geração, facilmente comparável com a de computadores. Sombras bem trabalhadas, roupas e armas impecáveis. Caso você seja um jogador mais antigo até caixas e a água vão ser lindas… ahhh como as chamas também são impecáveis. Se esse jogo fosse um filme, eu provavelmente daria 10/10 no IMDB, mas infelizmente ele não é.

Os efeitos sonoros e a dublagem são decentes, se não fosse pelo item principal desse jogo que são as armas, tivessem o som de que estão atirando festim no lugar de balas, Sony você podia ter pedido os efeitos sonoros de armas do CoD ou do BF ida ter dado mais certo do que gravado os próprios. Não sei direito como é o som de uma carabina fabricada em 1886, mas certeza que ela não fazia esse som, se pelas armas da primeira guerra mundial.

A história, bom eu brinco em dizer que essa parte é uma questão de expectativa contra realidade, para as pessoas que viram o jogo quando foi anunciado, ele era um jogo Steam Punk com criaturas místicas e batalhas épicas. O que obtivemos não foi isso, mas a história é ruim? Não, definitivamente é uma das melhores histórias que eu vi em um dos jogos.
Problema da história do jogo foi o tamanho do mesmo, o jogo dura entorno de 6 horas caso você seja um player razoável, e umas 8 ou 9 horas se você quiser platinar o jogo. É um jogo curto, e isso acaba por tornar a história rasa, nunca podemos nos esquecer que Final Fantasy 13 para explicar de forma mais o menos a história tinha quase 80 horas de CG, mais outra quantidade ainda maior de reports e falas, alem das batalhas de grind e etc.
Não posso pedir que todo jogo faça isso, CoD e BF fazem seu modo simgle player muito bem em suas curtas 15 horas, mas o background é muito menor.
Esse jogo deveria ter pelo menos 40 horas ao meu ver de jogabilidade e história, mesmo que fosse 20 horas de CG, vi muita gente reclamando que 40% do jogo era animação. Não vejo problema nisso considerando que as pessoas jogam jogos da Telltale que são basicamente histórias animadas… ganharam-se prêmios por isso.

As mecânicas nesse jogo são diversas, podiam ter sido melhor utilizadas e mais amigáveis. Infelizmente, faço parte daquele grupo de pessoas que acha que o menor número de mecânicas utilizadas faz um jogo melhor, pois o jogador tem condições de se acostumar com elas, e usar ao seu favor. Não vou comentar sobre a facilidade de headshots ou como o jogo é linear, para jogadores casuais isso não é um problemas.

Eu espero que esse jogo tenha uma sequencia descente, e mais longa. Não é um jogo ruim, mas com certeza não é um jogo no qual eu re-jogaria, apenas uma corrida toda história principal é explicada e os colecionáveis são mais por curiosidade do que por necessidade, então é isso.
Aconselho a você como jogador dar uma chance para o jogo, pegue empresado do seu amigo ou compre usado na gamestop, mas não deixe de jogar, é um tipo de jogo interessante com cenários e uma história boa, pena que mau trabalhado.

Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Your email address will not be published.