Review – Far Cry: Primal

Far Cry: Primal é mais um jogo da série Far Cry, na tentativa da Ubisoft transformar a série em um jogo anual. Ele é um jogo de survive-adventure, produzido pela Ubisoft Montreal, e publicado pela Ubisoft.

“Após a nota vou dar explicações sobre a mesma. Normalmente não faço isso, mas sinto necessidade nesse jogo.”

Far Cry: Primal é um ótimo jogo com uma experiência incrível, entretanto mesmo sendo algo tão incrível quando seus antecessores, para mim ainda é um jogo flat e vazio.
A nota do Far Cry: Primal é 7.0.

Esse jogo tem a mecânica incrível dos outros jogos, assim como anteriores, assim como a adição de algumas novas mecânicas que claramente fazem o jogo brilhar. Entretanto, ele é falho em detalhes que fizeram o jogo se tornar o que é.
Seus antecessores, tinham histórias e personagens impecáveis. Até mesmo pessoas que nunca jogaram Fry Cry 3 sabem sobre quem é Vaas e se sentiram atraídos pela loucura dele.

Ou a como o Pagan Ming de Far Cry 4 é exótico é maluco.

E então temos o vilão do Far Cry Primal, mas ai temos o problema… quem é ele? Qual a trail de personalidade ou de aparência dele que o faz tão exclusivo e o diferente tanto de qualquer outro NPC que você encontrou no jogo? Na minha cabeça não vem nada. Gostaria de dizer que foi um problema meu, mas após conversar com alguns amigos e ler alguns outros reviews muitos chegaram a essa conclusão. Por isso, a perda de pontos.

 

A partir desse ponto o artigo pode conter informações que podem alterar a experiência do jogo, caso não queria tais informações, por favor não prossigas.

 

Gráficos:
Os gráficos se mantiveram no mesmo nível de Far Cry 4, o que quer dizer que são incríveis o suficiente para você se perder na paisagem por diversas vezes e desejar que os VRs fossem mais baratos apenas para você poder ficar apreciando a paisagem sem precisar sair de casa. Eles fizeram um ótimo trabalho ao tentar reproduzir como seria um planeta AC.

fcp1 fcp2 fcp3fcp4

Jogabilidade:
Esse provavelmente é o ponto mais forte desse jogo. Os desenvolvedores conseguiram trazer tudo de positivo dos jogos anteriores, e adicionar algumas novas mecânicas para o jogo. As duas principais mecânicas que agregam a esse jogo é a capacidade de poder domar animais. E após isso montar em uma série deles, o que permite uma movimentação mais rápida pelo mapa, considerando a ausência de opções automotivas (por razões obvias). A segunda é a capacidade de gerenciar sua tripo de forma a eles coletarem alguns recursos que você necessita.
Fora isso, as missões de grind de itens e outros tipos de itens não cansa tanto.

Soundtrack & Ambientalização:
Nada a comentar, são ótimos.

História:
Aqui é onde eu começo a pegar pesado. rsrs

A história de Far Cry Primal os grandes problemas do jogo, a Ubisoft por ter pouco tempo para o desenvolvimento do jogo acabou por sacrificar alguns pontos para não sacrificar jogabilidade. Um desses pontos a história do jogo,  a série Far Cry é conhecida pelo seus incríveis vilões e personagens secundários com personalidades fortes e características. entretanto em Far Cry Primal não encontramos essas características. O maior vilão do jogo tem uma personalidade fraca e não marcante diferente de Vaas e Pagan Min, o vilão de Far Cry Primal não é diferente de um líder de uma tribo claramente acostumada com a guerra.

Far Cry Primal possuí dois vilões principais, Ull e Batari. Os líderes das outras duas vilas que compõem Oros, eles vieram antes da tribo Wenja, e de Takkar (personagem principal da trama). Entretanto, os personagens foram até certo ponto mau utilizados. A grande motivação de Takkar avançar em sua campanha de destruição das outras tripos não é para proteger a tripo Wenja, e sim, pela pressão de Sayla (que possuí uma série de traumar contra os Udam, e acalma o mesmo através da coleta de orelhas) e de Tensay (que criou uma vontade insana de vingança após ser escravo da tripo Izila). Ao final da história, muitos dos amigos que Takkar obteve decidem o deixar, por diversos motivos, passando a impressão que no final ele era apenas uma ferramenta para a tripo Wenja dominar Oros. 

Conclusão:
Far Cry Primal é um ótimo jogo se considerado a jogabilidade que se manteve de qualidade junto com a adição de algumas novas features, mas ao mesmo tempo o grande foco do jogo (ao meu ver) que é a história carismática e os personagens marcantes (como Pagan Min e Vaas) não são encontrados nesse jogo. Ele vai lhe proporcionar com toda certeza várias horas de diversão, mas não acredito que Far Cry 2 e 3, o jogador vá jogar e rejogar várias vezes o jogo de forma a reviver as experiências anteriores.

Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Your email address will not be published.